sexta-feira, 28 de março de 2014

Agora, é Saúde e Cultura de mãos dadas no Hospital São Pedro

 
 Fotos: Dennis Magalhães
Foi assinado, nesta quinta-feira (27), um acordo de cooperação técnica entre as secretarias da Saúde e Cultura com o objetivo de oficializar o uso dos blocos 5 e 6 do Hospital Psiquiátrico São Pedro, instituição que integra o Departamento de Coordenação dos Hospitais Estaduais da Secretaria Estadual da Saúde, pelos grupos que compõem o Condomínio Cênico do Hospital. O evento foi realizado no pátio do Hospital durante as apresentações do projeto São Pedro em Movimento.  O espaço que já era ocupado pelos grupos de teatro desde 2000 passa a ser oficialmente gerenciado pela Cultura para o desenvolvimento das várias expressões das artes.
A secretária Sandra Fagundes afirmou que existe uma intensa identidade entre saúde e cultura, e destacou que a ocupação deste espaço público pelas artes cênicas está mudando a relação da sociedade com o HPSP. O projeto São Pedro em movimento faz parte da política de desinstitucionalização do Governo do Estado que propõe, através de ações culturais (música, teatro, cinema e dança), estabelecer relações de inclusão da comunidade do São Pedro com a sociedade, tornando o hospital uma referência de produção artística descentralizada da cidade. Fazem parte do Condomínio Cênico do Hospital os grupos: Falos e Stercus, Oigalê, Povo da Rua, Neelic e Caixa Preta.


Dennis  Magalhães 
Assessoria de Comunicação Social
Departamento de Coordenação dos Hospitais Estaduais

Secretaria Estadual da Saúde
Tel. 3339.2111 ramal 1156 - Cel. 84052503
Av. Bento Gonçalves, 2460 - B. Partenon

quarta-feira, 26 de março de 2014

Compartilhando Livros no Hospital Psiquiátrico São Pedro


       A  paixão por livros, o prazer em folhear, o cheiro que emana das obras e o poder de ser transportado através da leitura para diversos locais, épocas e situações são algumas das sensações que podem ser compartilhadas no Hospital São Pedro através do projeto Compartilhando Livros. Há dois anos, a iniciativa vem ganhando adeptos que não passam despercebidos pela estante estrategicamente colocada em local de grande circulação na Direção de Ensino e Pesquisa (DEP) da instituição.

     A dinâmica para o acesso aos livros é simples e livre. As pessoas interessadas nas obras podem levá-las por empréstimo registrando no livro que está à disposição sobre a estante. Não há exigências de tempo de leitura para a devolução, nem restrição de perfil do público leitor podendo ser funcionários ou pertencer ao quadro das empresas terceirizadas. Caso haja o interesse do leitor em adquirir e permanecer com o exemplar, é só trazer um outro livro e efetuar a troca tendo o compromisso pessoal de registrar a substituição. O acervo é o resultado de doações e conta com mais de 100 exemplares em variados gêneros literários de publicações antigas e recentes. A psicóloga Lia Rigoni, coordenadora do projeto, explica “o objetivo do Compartilhando Livros é estimular a leitura e dar liberdade para o leitor apreciar a obra”.

    Quem desejar conhecer  a estante do projeto Compartilhando Livros e usufruir de seu acervo, disponibilizando  por empréstimos os livros, poderá dirigir-se ao DEP, das 8h às 17 h, e registrar sua retirada.  Pessoas que possuam livros esquecidos na estante de suas casas, ou que possuam obras que não os interessam mais, ou ainda não possuam espaços para guardar os livros, doe-os para o projeto que está despertando o interesse e a satisfação pela leitura no Hospital São Pedro.

 Lia Magalhães - CONRERP 1627
Assessoria de Comunicação Social
Departamento de Coordenação dos Hospitais Estaduais

Secretaria Estadual da Saúde
Tel. 3339.2111 ramal 1156 - Cel. 84052509
Av. Bento Gonçalves, 2460 - B. Partenon

terça-feira, 25 de março de 2014

São Pedro abre suas portas a comunidade para comemorar o Dia Internacional do Teatro

O Projeto São Pedro em Movimento, em comemoração ao Dia internacional do Teatro (21/03) apresenta “A Porta Aberta”, evento que oferecerá  gratuitamente ao público, de   26 a 29 de março, oficinas e apresentações de teatro produzidas pelos usuários e pelos  grupos que integram o Condomínio Cênico do Hospital Psiquiátrico São Pedro.  A ação comemorativa é uma promoção das secretarias estaduais da Saúde e da Cultura juntamente com o Insitituto Estadual de Artes Cênicas.

O São Pedro em Movimento faz parte da política de desinstitucionalização do Governo do Estado que propõe através das várias expressões das artes (música, teatro, cinema e  dança), estabelecer relações de inclusão da comunidade do São Pedro com a sociedade, tornando o hospital uma  referência de produção artística descentralizada da cidade. Fazem parte do Condomínio Cênico do Hospital os grupos: Falos e Stercus, Oigalê, Povo da Rua, Neelice e Caixa Preta.

Conforme a programação, no primeiro dia do evento, 26, as atividades ficam por conta do Núcleo de Estudos e Experimentação da Linguagem Cênica (NEELIC), no pátio do Pavilhão 6 do HPSP,   às 10h,  haverá a oficina Experimentação e às 11h, o espetáculo os Gringos à beira de um ataque de nervos baseado nas comédias de William Shakespeare, adaptada para a realidade dos gaúchos  com a influência latina.

No dia 27,  quinta-feira, às 10h,  a secretária estadual da Saúde, Sandra Fagundes e o secretário estadual da Educação Luiz Alberto de Assis Brasil abrirão a apresentação que ocorrerá no gramado central com o Povo da Rua Teatro de Grupo  com o espetáculo Os Dez Mandamentos da Capital. A peça retrata a saga de um bando insatisfeito com o modelo de cidade que aprisiona, angustia e coisifica sentimentos e afetos. Insatisfeito e movido por uma utopia, o grupo decide partir em busca da terra Prometida, e lá, construir uma cidade ideal. No entanto, as coisas são saem como o planejado. As brigas pelo poder e a burocratização são os maiores obstáculos para a realização do sonho.

Na sexta-feira, 28, às 10h, no gramado Central da instituição, será a vez do Oigalê Cooperativa de artistas Teatrais mostrarem o espetáculo O Baile dos Anastácio. Esta é uma parábola sobre a devastação ambiental e os jogos de interesses em torno da terra. O espetáculo utiliza como metáfora o casamento arranjado que ignora o desejo da mulher. No baile onde não faltam comida e bebida, encontram-se personagens históricos e também algumas figuras folclóricas e emblemáticas da região.  Às 12h, no Gigantinho, ginásio de esportes do hospital, são os usuários que mostram o resultado de sua produção com a peça Nau.

No  último dia do evento, sábado, às  10h, no gramado central, o Povo da Rua Teatro de Grupo  apresenta Zona Paraíso, uma versão teatral divertida e crítica da história da criação do mundo contada por anjos do apocalipse e pela personagem mítica Lilith conhecida como a primeira mulher de Adão, antes mesmo de Eva ser criada de sua costela.
 
Lia Magalhães - CONRERP 1627
Assessoria de Comunicação Social
Departamento de Coordenação dos Hospitais Estaduais

Secretaria Estadual da Saúde
Tel. 3339.2111 ramal 1156 - Cel. 84052509
Av. Bento Gonçalves, 2460 - B. Partenon

 

 

segunda-feira, 24 de março de 2014

Secretária estadual da Sáude, Sandra Fagundes convoca sociedade, trabalhadores e gestores em Saúde a reduzir os índices de Tuberculose no Estado.


Durante evento de abertura das ações comemorativas ao Dia Mundial de Luta Contra Tuberculose, na  manhã desta segunda-feira, 24, no Largo Glenio Peres,  a secretária da Saúde, Sandra Fagundes alerta: “ a Tuberculose, doença tão antiga, ainda está presente no Brasil e em nosso Estado.”  No Rio Grande do Sul, para cada 100 mil pessoas, 44 contraem a doença. “É preciso reduzir estes números”, afirma.  As pessoas devem estar atentas aos sintomas como cansaço, sudorese, falta de apetite, febre ao fim do dia, entre outros,   e os trabalhadores de saúde devem ter atenção na identificação da Tuberculose.

Este ano o tema alusivo à data é: “A Tuberculose só não tem remédio para quem interrompe o tratamento”. É um alerta para o alto índice de abandono, sem que haja a conclusão do tratamento que é gratuito disponível nos postos de saúde da rede pública e garante a cura da doença. Somente 65% das pessoas que iniciam o tratamento, o concluem.

Com jogos interativos e distribuição de material informativo, a programação conjunta do Comitê Estadual de Enfrentamento da TB e os Programas de Controle da Tuberculose estadual e municipal, inicia hoje e se estenderá até o dia15 abril com exposições itinerantes sobre Tuberculose em diversos locais da Capital. Confira a programação completa:

24/03
10 h
Largo Glênio Peres
Abertura das ações
25/03
6h30 às
11h30
Presídio central de Porto Alegre
Av Róccio, 1.100
Ação de fila de espera—entrega de material informativo para visitantes.
26/03
9h às 17h
Hospital Sanatório Partenon
Avenida Bento Gonçalves, 3722
Mobilização Comunitária com
exposição itinerante sobre TB
27/03
9h às 16h
Ambulatório Básico Bom Jesus
Rua Bom Jesus, 410
Mobilização Comunitária com
exposição itinerante sobre TB
28/03
9h às 16h
Praça  Vilmar Bertelli
Bernardino de Oliveira Paim, 82
Mobilização Comunitária com
exposição itinerante sobre TB
01/04
9h às 16h
U.S. Modelo
Rua Jerônimo de Ornellas, 55
Mobilização Comunitária com
exposição Itinerante sobre TB
03/04
9h às 16h
USF Lomba do Pinheiro
Estrada João de Oliveira Remião, 6.111
Mobilização Comunitária com
exposição itinerante sobre TB
15/04
12h às 18h
Esplanada da Restinga
Estrada João Antonio Silveira, s/n
Mobilização comunitária com
exposição itinerante sobre TB 
 
 
 
Lia Magalhães - CONRERP 1627
Assessoria de Comunicação Social
Departamento de Coordenação dos Hospitais Estaduais

Secretaria Estadual da Saúde
Tel. 3339.2111 ramal 1156 - Cel. 84052509
Av. Bento Gonçalves, 2460 - B. Partenon

sexta-feira, 21 de março de 2014

24 de março e o Dia Mundial de Luta Combate a Tuberculose

Estão programadas ações para marcar o Dia Mundial de Combate à Tuberculose, na próxima segunda-feira, 24 de março,10h, no Largo Glênio Peres. O Programa Estadual de Controle da Tuberculose (PECT-RS), em parceria com o Comitê Estadual de Enfrentamento da Tuberculose e o Programa Municipal de Controle da Tuberculose de Porto Alegre, estará desenvolvendo ações em vários locais de Porto Alegre até o dia 15 de abril para lembrar a importância da data em todo o Estado. O Hospital Sanatório Partenon receberá a visita da exposição itinerante sobre a doença, dia 26, das 9h às 17h e entrega de material informativo sobre a tuberculose que fazem parte das atividades propostas pelo Programa.
 
 
Dennis Magalhães
Assessoria de Comunicação Social
Departamento de Coordenação dos Hospitais Estaduais

Secretaria Estadual da Saúde
Tel. 3339.2111 ramal 1156 - Cel. 84052503
Av. Bento Gonçalves, 2460 - B. Partenon

quinta-feira, 20 de março de 2014

Acompanhantes Terapêuticos refletem suas práticas em curso promovido pela Divisão de Atenção aos Usuários Moradores (DAUM)

No auditório da Escola de Saúde Pública da Secretaria Estadual da Saúde profissionais que atuam como Acompanhantes Terapêuticos se reúnem para aprimorar e refletir sobre o trabalho desenvolvido junto aos usuários moradores dos Residenciais Terapêuticos e usuários dos Centros de Atenção Psicossocial da rede de saúde pública do Estado. O curso que vem acontecendo desde quarta-feira, 19,  e finaliza o  quinto e penúltimo módulo na tarde desta quinta-feira, 20,  teve início em outubro de 2013  e encerrará  em abril deste ano com seis módulos, totalizando 180 horas.
 
Promovido pelo Departamento de Coordenação dos Hospitais Estaduais (DCHE) da SES por meio da Divisão de Atenção aos Usuários Moradores (DAUM) em parceria com a Escola de saúde Pública, o curso   foi elaborado pensando no trabalhador como sujeito envolvido no processo do cuidado e que participa no desenvolvimento da autonomia de pessoas com algum tipo de sofrimento psíquico no espaço aberto da cidade resgatando projetos de vida.
 
O acompanhamento Terapêutico é uma ferramenta clínica que ajuda a sustentar os processos de desinstitucionalização. Para pensar como se constrói esse trabalho o curso vem auxiliar promovendo o conhecimento além dos fundamentos base como a concepção de acompanhamento terapêutico, a história da loucura, a história da reforma psiquiátrica, a história do SUS, propicia principalmente, o espaço de troca e discussão de questões demandadas do cotidiano. Dúvidas, sofrimentos e expectativas fazem parte do currículo que valoriza a sensibilidade e a percepção daqueles trabalhadores que se dedicam em promover o cuidado e apresentar aos usuários as possibilidades que a vida oferece, “porque o sujeito é mais do que a demanda de remédios e de banho” explica a Fisioterapeuta, Mestre em Educação e uma das coordenadoras do curso, Stelamaris Tinoco, “o AT precisa se apropriar desse trabalho, entender e construí-lo do seu jeito, se reinventar e inventar práticas” afirmou.

A Assistente Social, Marcia Garcia, AT do CAPS Álcool e Drogas de Canoas, aluna do curso, declara: “O curso de Acompanhante Terapêutico é importante para nos reciclarmos enquanto profissionais. É enriquecedor estar aqui com outras áreas podendo reconstruir este olhar e saber o que pretendo fazer ao acompanhar o usuário. O respeito que tenho que ter com ele, esta pessoa que está ali esperando um serviço e que muitas vezes depende só dele.  O Acompanhamento Terapêutico é se emprestar para essa nova ação.”
 


Fotos e texto:Lia Magalhães - CONRERP 1627
Assessoria de Comunicação Social
Departamento de Coordenação dos Hospitais Estaduais

Secretaria Estadual da Saúde
Tel. 3339.2111 ramal 1156 - Cel. 84052509
Av. Bento Gonçalves, 2460 - B. Partenon

                      







quarta-feira, 19 de março de 2014

O PROGRAMA DE VISITAÇÕES AO HOSPITAL PSIQUIÁTRICO SÃO PEDRO CRESCE A CADA ANO

A agenda nem bem abriu a disponibilidade de datas para visitações à instituição, que é uma das mais antigas do Estado, e já está quase lotada para o primeiro semestre deste ano. No ano de 2013, de março a dezembro, fechou com 1.600 visitantes, uma média de 150 por mês que chegam representando principalmente instituições de ensino, na maioria de universidade. Esta prática já foi adotada como ação rotineira em determinadas disciplinas com professores que ministram suas aulas no Hospital. Há também instituições de saúde, de ensino médio, grupo de profissionais de diversas áreas, e associações que justificam a visita pelo interesse em conhecer a história e a atual condição do hospital centenário que passa pelo processo de desinstitucionalização. É comum ver no pátio do Hospital ônibus estacionados com placas de diversos municípios dos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná.
As visitas institucionais iniciaram em 2003. Nesse primeiro ano, o Serviço de Memória Cultural registrou 415 assinaturas no livro de visitantes. A partir daí, a cada ano, o número cresceu se fazendo necessário desenvolver um programa permanente com agendamento de grupos a fim de atender a grande demanda. Em 2011, a Direção de Ensino e Pesquisa (DEP) do Hospital passou a coordenar o programa.
ROTEIRO DE VISITAÇÃO
Para preservar a intimidade dos usuários em sua moradia, o acesso às dependências somente é permitido sob a avaliação e monitoramento da psicóloga Lia Rigoni, responsável pelo roteiro que inicia com instruções de conduta e dados importantes sobre a instituição. O tour torna-se interessante ao adentrar os portões pela exuberância da área física e dos prédios históricos ilustrando o imaginário popular no que se refere a história, os avanços do tratamento e os caminhos das políticas em saúde mental. Os grupos podem conhecer o Memorial do Hospital, localizado em um dos prédios históricos que conta com precioso acervo apresentado pelo historiador Edson Cheuiche. A oficina de Criatividade é outro local preparado para receber a atenção do público interessado nas obras e nos trabalhos que expressam a criatividade dos usuários. Nos Residenciais Terapêuticos o acompanhamento é feito por técnicos responsáveis pelos serviços.
AGENDAMENTO DE VISITAS
As visitas ocorrem nas quartas e sextas feiras.  Há datas disponíveis somente para o mês de agosto e adiante.
As visitas só ocorrem em grupos. Pessoas interessadas individualmente serão integradas a grupos já agendados. Os interessados deverão enviar um e-mail para a Direção de Ensino e Pesquisa do Hospital no seguinte endereço: dep-hpsp@saude.rs.gov.br.  Após ser avaliada a possibilidade na agenda, o grupo preenche um formulário que é reenviado posteriormente com a confirmação da visita. No dia e hora agendados o serviço de Portaria do Hospital já os estará aguardando para o encaminhamento aos profissionais que os acompanharão na instituição.
 
Lia Magalhães
Assessoria de Comunicação Social
Departamento de Coordenação dos Hospitais Estaduais

Secretaria Estadual da Saúde
Tel. 3339.2111 ramal 1156 - Cel. 84052509
Av. Bento Gonçalves, 2460 - B. Partenon


sexta-feira, 14 de março de 2014

Programa do Trabalho Terapêutico no Hospital Colônia Itapuã baseia-se no cultivo de plantas e trabalhos artesanais. É o ReHCIclar.


Em uma das salas do Hospital Colônia Itapuã, um grupo de senhoras, ex-hansenianas, moradoras no Hospital se reúne e transformam, com a supervisão da servidora Neida Laurindo da Silva, diversos materiais como latas, garrafas pet, caixas de legumes e móveis antigos, em lindas peças artesanais através de linhas, tecidos e tintas. O trabalho conhecido e admirado por todos, feito com capricho e dedicação de Alda Roveda, 75 anos, moradora há 58 da instituição, faz parte do Projeto ReHCIclar desenvolvido no Hospital Colônia Itapuã. O projeto nasceu em 2012 e permanece dentro do Programa de Trabalho Terapêutico do Hospital que realiza-se através de uma ação coletiva fundamentado no interesse geral da comunidade em promover a pessoa humana e a integração social dos cidadãos. O HCI está situado na Rodivia Frei Pacífico, no distrito de Itapuã, em Viamão, com 17 mil metros quadrados de área construída em 122 edificações. Hoje, das 60 casas de moradia, 46 ainda estão ocupadas entre funcionários e moradores ex-hansenianos.


Luisinho, é um dos pacientes psiquiátricos, que não só passeia pelo pátio do Hospital, ele conhece todo o material que pode ser reaproveitado e ajuda a mantê-lo limpo buscando os resíduos sólidos nos diversos locais dentro da colônia. O lixo recolhido por Luisinho e outros pacientes é reunido e armazenado no prédio em que funcionava a antiga Delegacia na época da inauguração do Hospital, em 1940. Onde ficavam as selas da cadeia, hoje são depositados todos os materiais recicláveis secos e não contaminados (garrafas PET, calhas de lâmpadas, latas de azeite, etc) para serem selecionados. Depois de passar pelo processo seletivo,  é enviado também para o horto, local onde é feito o plantio e o cultivo de plantas bioativas, ornamentais, e nativas, atividade que passou a integrar o Projeto ReHCIclar aproveitando a exuberante área física da instituição.
 
A produção do ReHCIclar passou a ser distribuída para decoração de salas e casas e também para embelezar os jardins tornando o Hospital um local ainda mais bonito. Com grande aceitação por parte dos funcionários, moradores e visitantes da instituição, o projeto passou a ser auto-sustentável com a venda das peças artesanais e mudas de plantas, gerando recursos e mantendo a produção. Através do Projeto, o HCI com toda a equipe que o desenvolve, participa de feiras e festas em Itapuã. O servidor Jairo Antão que integra a equipe ressalta: “esta atividade só pode dar certo, pois os pacientes se sentem valorizados, mostram autonomia, participam do processo de aproveitamento e criação a partir do lixo e das plantas. Isto tudo é muito saudável para todos nós e para a sociedade.”

A Terapeuta Ocupacional, Simone Meyer Rosa, responsável pelo Programa de Trabalho Terapêutico na instituição explica que o projeto tende a avançar ampliando suas ações e parcerias reativando a horta comunitária, incrementando as atividades de artesanato, de corte e costura além das atividades de expressão corporal. A educação ambiental é outra iniciativa a ser incorporada pelo projeto ampliando a participação comunitária em atividades de trilhas ecológicas na área física pertencente ao HCI que é de 1.251 hectares. Simone conclui: “Estas ações fundamentam a retomada do exercício do fazer construtivo que promove a integração social por meio da participação, com autonomia e auto-gestão do trabalho.”


As pessoas interessadas em doar ou adquirir mudas cultivadas ou os trabalhos artesanais produzidos, poderá entrar em contato com o HCI pelo telefone 3494.8022.



Fotos: Lia Magalhães
                      


Lia Magalhães
Assessoria de Comunicação Social
Departamento de Coordenação dos Hospitais Estaduais
Secretaria Estadual da Saúde
Tel. 3339.2111 ramal 1156 - Cel. 84052506
Av. Bento Gonçalves, 2460 - B. Partenon

 

 

 

quarta-feira, 12 de março de 2014

DCHE apresenta novos diretores


A direção do Departamento de Coordenação dos Hospitais Estaduais visitou, na manhã desta quarta-feira, o Ambulatório de Dermatologia Sanitária para se reunir com seus representantes e funcionários a fim de apresentar os novos diretores, adjunto Pablo Medeiros, e administrativo Marcelo Filippin. Na oportunidade foi feita uma de explanação de como o serviço de agendamento através do número 0800 funciona hoje, e como deverá ser para dar mais agilidade ao atendimento. Entre outras providências acertadas, está a retomada do processo, com a maior brevidade, da instalação dos elevadores para o acesso dos usuários visando melhoria do atendimento dos serviços disponibilizados pelo Ambulatório.


Dennis Magalhães
Assessoria de Comunicação Social
Departamento de Coordenação dos Hospitais Estaduais
Secretaria Estadual da Saúde
Tel. 33392111 - ramal 1156 - Cel. 84052503
Av. Bento Gonçalves, 2460 - B. Partenon