DCHE

Departamento de Coordenação dos Hospitais Estaduais

Avenida Bento Gonçalves, 2460.
Telefone: 3901-1045 - 3339-2389 -  33392523 
E-mail: dch@saude.rs.gov.br

Diretor Geral: Luiz Carlos Pinto Sobrinho

Diretor Adjunto: 

Atribuições:

O Departamento de Coordenação dos Hospitais da Secretaria Estadual da Saúde gerencia a rede de Hospitais próprios estaduais, de forma integrada com atividades de assistência relacionadas ao ensino e pequisa.
Congrega e gerencia todas as atividades desenvolvidas pela rede pública dos hospitais estaduais: Hospital Psiquiátrico São Pedro, Hospital Sanatório Partenon, Hospital Colônia Itapuã, e Ambulatório de Dermatologia Sanitária, 

Dentre as atividades incumbidas ao Departamento, destacam-se: a organização funcional das instituições gerenciando atividades de assistência associadas às necessidades e objetivos de ensino e pesquisa e  dirige ações que atendam as necessidades da população institucionalizada dos hospitais, em alinhamento com as políticas de saúde pública.

Assessoria de Comunicação Social dos Hospitais Estaduais

Avenida Bento Gonçalves, 2460.
Telefone: 33392389 - ramal 1309 e 1319
Celular/whatsapp (51) 984052503
e-mail: acshospitais@saude.rs.gov.br

Profissionais:   Dennis Guedes Magalhães
                        Jornalista Mtb 18957 - Relações Públicas CONRERP 1628
                        Lia Conceição Mineiro de Souza Magalhães
                           Jornalista Mtb 18958 - Relações Públicas CONRERP 1627

Adotando o gerenciamento da rede pública de Hospitais do Estado, vinculada ao Departamento de Coordenação dos Hospitais Estaduais, foi criada a Assessoria de Comunicação Social dos Hospitais, composta por dois profissionais na área de comunicação social com especializações em saúde pública(sanitarista) e administração hospitalar, que coordenará meios, métodos e ações pelas quais todas as Instituições vinculadas ao DCHE poderão satisfazer os anseios e interesses de seus públicos através da informação integrada, da promoção e divulgação dos serviços realizados.

A informação ampla e bem coordenada é providência de grande valia que sustenta a credibilidade das Instituições e a confiança dos públicos. Assim, a Assessoria tem o objetivo de firmar uma integração de suas Instituições com a sociedade por meio da informação, acelerando o processo dos modos relacionais das instituições entre si e seus públicos, partindo do princípio de que a boa vontade da opinião pública é de fundamental importância para a vida das entidades governamentais. 
       ◊ A ACSHospitais tem dois eixos de trabalho: 
  • Informação Integrada: Concederá o levantamento, a análise e a crítica das condições internas, permitindo um conhecimento universo das ações e atuações Institucionais, oportunizando a tomada de decisão em consonância com as aspirações dos funcionários e das necessidades do público externo.
  • Promoção de Serviços: Não basta que as ações sejam de interesse público, é preciso saber explicá-las prévia, oportuna e apropriadamente, criando situações e acontecimentos que mereçam visibilidade e divulgação por meio da mídia.
A Assessoria abrange um público interno de aproximadamente 740 pacientes,1550 funcionários efetivos e 250 servidores  terceirizados com ações de comunicação social, fundamentadas nas atividades de Relações Públicas intermediando os trabalhos de divulgação, publicidade e de assessoria de imprensa.


Expandir as atividades de Comunicação Social é conceber a importância dos Hospitais na Saúde Pública em nosso Estado.



Oxigenoterapia Domiciliar

Avenida Bento Gonçalves, 2460.
Telefone: (51) 3384-5488

Médicos responsáveis: Elaine Ceccon – elaine-ceccon@saude.rs.gov.br
                                     Carlos A. F. Vieira – carlos-vieira@saude.rs.gov.br

Histórico:

O Projeto de Assistência Ventilatória Não Invasiva (PAV), faz parte do Programa de Oxigenoterapia Domiciliar do Governo do Estado, através da Secretaria Estadual da Saúde, passa a oferecer tratamento em domicílio para pacientes que necessitam de administração suplementar de oxigênio, em determinadas situações clínicas. Além do maior conforto para os usuários, o programa de oxigenoterapia domiciliar reduz o tempo de internação hospitalar, diminuindo a chance de complicações clínicas e liberando leitos para pacientes de maior complexidade.

Os equipamentos como concentradores de oxigênio, aparelhos elétricos que filtram o ar, fornecendo oxigênio em maior concentração que na atmosfera, equipamentos de pressão positiva nas vias aéreas (BILEVEL), que geram um fluxo de ar para o paciente, evitando o fechamento das vias aéreas e por consequência, tratando a insuficiência respiratória são entregues diretamente nas residências dos pacientes. Esses instrumentos são utilizados para tratamentos de problemas respiratórios onde existe uma queda da oxigenação do sangue, obedecendo critérios da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia.

O paciente fica conectado a maquina através de uma máscara facial. Estes equipamentos estão destinados ao atendimento exclusivo de pacientes portadores de Doenças Neuromusculares, de acordo com a Portaria Ministerial Nº 370/2008.

O Rio Grande do Sul possui altos índices de doenças respiratórias. A prevalência do tabagismo no Estado é uma das maiores do Brasil, sendo Porto Alegre a campeã entre as capitais. Consequência do hábito do fumo, a Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC) é uma patologia bastante frequente na população gaúcha. Além disso, entre as crianças, a terapia intensiva pediátrica tem aumentado a sobrevida dos pacientes, ampliando a necessidade de oxigenoterapia suplementar prolongada